Baixe grátis

Ir para o site

Baixe grátis

Menu

O que esperar de um atelier de arquitectura em Luanda?

Se você está a procura de um atelier de arquitectura em Luanda, precisa primeiramente entender que, assim como as demais artes, a arquitectura também reflete as transformações da sociedade e o seu panorama actual.

Em Luanda, temos visto projectos modernos, jovens e vibrantes, que buscam enquadrar a cidade na rota dos principais municípios do mundo. Porém, para entendermos o futuro, é de suma importância olharmos também o passado – e compreendermos o quanto a Guerra Civil e os demais factos históricos marcaram a arquitectura da cidade e do país de uma forma geral.

Neste conteúdo, fizemos um panorama sobre a arquitectura em Luanda e em Angola – e também selecionamos uma lista dos principais atelier de arquitectura em Luanda para lhe ajudar nos seus próximos projectos construtivos. Confira!

A arquitectura em Luanda: o passado e o futuro

Para entendermos como a arquitectura em Luanda e em Angola se desenvolveu, é essencial vislumbrarmos o passado e o caminho já percorrido até então. Somente assim é possível compreendermos as nossas origens, necessidades e urgências em termos construtivos e habitacionais.

O passado

Durante o período colonial, a arquitectura esteve muito ligada à herança portuguesa. Essa influência teve início em meados do século XX, quando muitos arquitectos portugueses procuraram escapar da repressão do Estado Novo ao migrarem para Angola.

Neste período, a preocupação estava ligada especialmente à qualidade plástica dos objectos arquitetônicos, ao adoptarem uma linguagem de inspiração modernista, direccionada para a habitação colectiva e para o povoamento da cidade colonial.

A arquitectura em Luanda e em Angola é formada por diversas influências históricas que ocorreram nesta região.

Entre os destaques da história de arquitectura em Luanda está a criação do Gabinete de Urbanização de Angola, nos primórdios da década de 60, realizada por Fernão Lopes Simões de Carvalho. Ele também foi o responsável por projectar a urbanização de Luanda, em 1962, ao trabalhar no plano dos lotes do Prenda e procurar desenvolver a coabitação entre população branca e autóctone.

É válido lembrar que, neste período, as políticas urbanas e habitacionais implementadas em Angola, impostas por Portugal, acompanhavam a linha ideológica do Apartheid extremo da vizinha África do Sul. 

Contudo, em oposição à essas políticas, surgem localmente os musseques, soluções habitacionais precárias construídas pela população de baixa renda e situadas nas áreas periféricas de Luanda. 

Guerra Civil

Entre 1975 a  2002, a Guerra Civil assolou os angolanos após a independência, o que gerou uma pesada crise social e de infraestrutura – e, claro, implicou também na arquitectura do país.

Nos primeiros dez anos do Governo MPLA independente, de discurso socialista, o Estado procurou forjar a construção de “um só povo, uma só nação”. Para isso, o Governo nacionalizou e confiscou a generalidade dos bens imóveis. Mas, como não garantiu sua manutenção, as propriedades transmitidas para o poder do Estado passaram a se deteriorar.

A Guerra Civil e a nacionalização das propriedades em Angola causaram a deterioração de muitas estructuras arquitectónicas. 

A Guerra Civil também estimulou o êxodo rural em Angola que diversos deslocados e refugiados passaram a migrar para as áreas urbanas, especialmente para Luanda. Os musseques se tornaram mais densos, ao passo que as novas áreas periurbanas ficaram mais precárias e se difundiram pelas franjas da cidade.

Apesar dos esforços do governo socialista, as medidas implementadas não conseguiram combater as desigualdades sócio-espaciais de Angola.

Angola Neoliberal

Com o fim da Guerra Fria, Angola passou a actuar sob o regime neoliberal e houve uma abertura oficial do país aos investidores estrangeiros e privados. Porém, com a intermitência da Guerra Civil cada vez mais feroz e o aumento exponencial dos deslocados,  os problemas urbanos tornaram-se ainda mais complexos, especialmente em Luanda.

Os Musseques foram importantes locais que criaram uma urbanidade própria, especialmente em Luanda. Fonte da imagem: Ver Angola

Nos musseques, as relações rural-urbano reinventaram uma urbanidade própria. Apesar disso, o que vimos na década de 1990 foi a proliferação dos musseques e o agravamento da qualidade de vida.

Acordos de Paz

Os acordos de Paz de 2002 cessaram a Guerra Civil e o governo angolano assumiu combater a pobreza urbana e habitacional da  capital do país como um dos seus principais objectivos. 

Para isso, foram tomadas diversas medidas jurídicas e políticas públicas, como a Lei do Ordenamento do Território e Urbanismo, a Lei do Fomento Habitacional e a adopção do Programa Nacional de Urbanismo e Habitação.

Todas elas preconizavam a melhoria da qualidade de vida urbana e habitacional em Angola por meio da normalização do seu território, com o objectivo de transformar ocupantes irregulares em cidadãos regularizados e integrados à sociedade urbana.

O presente e o futuro

Com o fim da Guerra Civil, Angola começou a se firmar como um importante país da África e do mundo, especialmente graças à sua indústria petrolífera. Luanda passa a se tornar uma cidade “do mundo”, uma verdadeira metrópole onde se encontram influências diversas.

Os conceitos modernos e até extravagantes são bastante explorados na arquitectura em Luanda e são muitas as construções que demonstram essa preocupação. Entre elas, uma bem marcante é o Pavilhão Multiusos de Luanda, também conhecido como Arena de Luanda.

A Arena de Luanda foi um marco urbanístico e arquitetônico na cidade, quando projectado em 2013. Fonte da foto: Arch Daily. Autor: Fernando Guerra

Projectado em 2013, ele foi construído para receber o 41º Mundial de Hóquei em Patins e a sua construção constituiu um marco urbanístico e arquitetônico fundador de um novo tecido e gerador de novas centralidades.

Outro ponto que merece destaque é a Baía de Luanda, que mostra aos seus visitantes um projeto estruturante e emblemático desse novo momento de Angola. Em uma área que sofreu grande impacto durante a Guerra Civil, houve investimento com preocupações ecológicas, como a descontaminação das águas da baía, principal atractivo turístico da capital.

É na orla urbana da Baía que se situa o edifício DYEJI, outra obra arquitetônica de destaque actualmente. Com 8 pisos e 28 apartamentos, ele conta com uma fachada extremamente moderna e muito vítrea com terraços brises-soleil e uma expressão única.

Principais desafios à arquitectura em Luanda

Apesar da evolução da sociedade e também da arquitectura em Angola e especialmente em Luanda, ainda há muitos desafios a serem superados.

Embora muitas construções tenham um carácter modernista e futurista, a exemplo de outras grandes cidades do mundo, ainda falta uma noção de utilidade desses projectos, especialmente no que tange à infraestrutura e a preocupação com a manutenção dos mesmos.

O que os arquitectos e urbanistas notam hoje em Luanda é uma urgência maior em construir e mostrar ao mundo a reconstrução do país, porém pouca preocupação com a funcionalidade dessas construções, como falta de estacionamento, dificuldades de acesso, entre outros.

Diferentemente das estruturas antes projectadas, a demanda para construções realmente utilizáveis cresceu em Luanda.

É necessário satisfazer a demanda crescente por construções, mas de forma artisticamente uniforme, funcional e planificada.

Em relação ao desenvolvimento urbano, apesar do crescimento expressivo e das preocupações em criar-se um Plano Director Geral de Luanda, ainda há questões sensíveis que precisam de atenção, como é o caso do saneamento básico, não apenas das águas domésticas, mas também das águas pluviais.

Soma-se nisso a necessidade de desenvolverem-se projectos que valorizem a qualidade de vida das pessoas e que também promovam a sustentabilidade – a exemplo do que ocorre na arquitectura mundial.

Atelier de arquitectura em Luanda: os 8 melhores para você conhecer

Ao entendermos um pouco da história da arquitectura em Angola, podemos compreender o presente dessa arte no país e também em Luanda. 

Muitos dos nossos arquitectos trabalham actualmente com os preceitos modernos que regem a sociedade actual, buscando inspirações em outras cidades importantes para o mundo.

A fim de oferecer estruturas com maior qualidade, há muitos ateliers de arquitectura em Luanda.

Assim como também vemos uma crescente preocupação com a sustentabilidade e a qualidade de vida nas construções, de forma a preservar as gerações futuras e oferecer aos moradores locais bonitos e acessíveis.

Separamos uma lista de ateliers de arquitectura para lhe ajudar na busca do profissional adequado ao seu projecto.

  1. Costa Lopes

Atelier de arquitectura em Luanda liderado por Alexandre e António Falcão Costa Lopes. Dispõe de uma equipa multidisciplinar de arquitectos, urbanistas, engenheiros e designers. 

O atelier actua nos âmbitos da arquitetura, urbanismo, paisagismo e interiorismo, desde as grandes intervenções territoriais e empreendimentos urbanos até as habitações unifamiliares.

  1. Sosoares

Aberto em 2015, este atelier de arquitectura em Luanda foi fundado por Celso Soares e atende clientes comerciais e residenciais. Seus projectos buscam o inusitado, a solução criativa, o bom gosto e a elegância, com soluções únicas para cada cliente.

  1. Atelier de Luz

Este atelier de arquitectura em Luanda é uma empresa de caráter internacional, com escritórios em outros países, como Brasil e México. Seu foco está na conceptualização e execução de projectos a diferentes escalas: desenho urbano, arquitetura, paisagismo, remodelações e efémero.

A filosofia do atelier parte de um desenho integral que incorpora elementos de natureza e cria atmosferas agradáveis aos seres que habitam o espaço, com incorporação de elementos de eficiência energética e processos construtivos sustentáveis.

  1. Jorge Lopes

Em funcionamento desde 2003, este atelier de arquitectura em Luanda tem desenvolvido estudos e projectos em diferentes vertentes como serviços, equipamentos desportivos, habitação, reabilitação e recuperação, planos directores, arquitectura de interiores e decoração e propostas e concursos.

Para isso, dispõe de equipa multidisciplinar e multifacetada com colaboradores de diferentes áreas como engenharia, paisagismo, certificação energética e outros.

  1. A78
Fonte da imagem: Ateliê A78

Esse atelier de arquitectura em Luanda foi fundado em 2010, ainda sob o nome de Luand’arq Arquitectos Associados, pelos arquitectos Nuno Gonçalves e Pedro Catela do Vale. Em outubro de 2017, o atelier mudou de nome e passou a atuar também em Lisboa, Portugal.

Actualmente, os arquitectos do atelier estão associados a projectos de distintas escalas, como pavilhões temporários de exposições, galerias de arte, museus, hotéis, restaurantes, bancos comerciais, residências particulares e santuários religiosos, com mais de 20 obras concluídas em Luanda e Lisboa.

  1. Esfera Arquitectos

O Esfera Arquitectos é um atelier de arquitectura em Luanda com projectos variados e abrangentes que apresentam aos clientes ideias e soluções inovadoras e que vão ao encontro dos seus objectivos. Para os arquitectos da Esfera, cada projecto é único e exige uma visão particular das necessidades dos seus clientes.

  1. GV Arquitectos

Criatividade e inovação são as principais palavras que traduzem este atelier de arquitectura em Luanda. Em seus trabalhos, as equipas procuram fazer a diferença e acrescentar valor a todas as soluções propostas. 

Eles creem que a principal diferença da arquitectura moderna são os detalhes e por isso realizam escolhas meticulosas, criando ambientes únicos, modernos e especiais.

  1. Delight Home

Este é um dos mais modernos atelier de arquitectura em Luanda que também tem o foco na decoração de interiores, tanto de espaços privados como públicos. O gosto pelo contraste entre materiais naturais, cores e texturas de Angola é a principal fonte de inspiração das equipas.

Conclusão

Neste conteúdo, você viu que a arquitectura em Angola está em constante transformação, especialmente em Luanda. Do domínio português, ao passar pela Guerra Civil e para a abertura ao mundo, a arquitectura sofreu diversas alterações.

Hoje, Luanda se situa como uma das mais importantes cidades do mundo e isso se reflete em suas construções modernas e ousadas e na reconstrução da cidade como um todo.

Embora ainda existam pontos que necessitem de cuidados, a arquitectura em Luanda é moderna, pulsante e versátil – e isso tudo se reflete também nos vários tipos de atelier de arquitectura existentes em Luanda, com opções para projectos unifamiliares até aos  mais amplos.

Gostou deste conteúdo? Já sabe tudo sobre a arquitectura em Angola e em Luanda? Partilha as nossas dicas em suas redes sociais!

Tags

arquitectura cultura Luanda

Compartilhe:

Deixe seu comentário:

Baixe agora!

iOS ou Android? Baixe gratuitamente nosso App e aproveite diversa experiências, todos os dias!